segunda-feira, 1 de agosto de 2016

A ditadura dos rótulos de Identidade de Gênero



Tem pessoas transgêneras que se agarram de unhas e dentes aos seus rótulos de gênero e que só faltam atirar pedras em quem questiona suas estúpidas definições, conceitos e regras de enquadramento. Identidade de gênero é apenas uma designação auto-concedida pela pessoa, em razão do que ela acredita ser e expressar nesse mundo. Regra nenhuma pode deslegitimar essa designação assumida pela própria pessoa.

Regra nenhuma pode pasteurizar, hierarquizar e excluir pessoas dessa ou daquela identidade de gênero sob pena de ser uma mera repetição do dispositivo binário de gênero, o pior e mais nefasto mecanismo de controle já criado pela sociedade para "vigiar e punir" os seres humanos.

Defender esses rígidos “enquadramentos de gênero” é a mesma coisa que defender o surrado catecismo da sociedade heteronormativa-cisgênera em que, para uma pessoa ser considerada homem ou mulher, as duas únicas identidades formalmente existentes, é preciso que exiba os atributos de gênero fixados para cada uma dessas categorias. Inclusive e principalmente um pênis ou uma vagina, passaporte fundamental para o enquadramento na identidade masculino e na identidade feminina, respectivamente.

É, portanto, sacanagem - e da grossa - que "formadoras de opinião" continuem cobrando, das suas próprias irmãs transgêneras, enquadramentos de gênero da forma mais tacanha e esdrúxula possível de modo a repetir, dentro do gueto, as práticas e exigências absurdas da sociedade patriarcal cisgênera
para o enquadramento dos seres humanos em grosseiras e arbitrárias categorias artificiais, totalmente impostas e naturalizadas em nome do perfeito funcionamento do "status quo". (Letícia Lanz)

Nenhum comentário:

Postar um comentário