domingo, 21 de agosto de 2016

A marca mais perversa e neurótica da sociedade capitalista

Kid Vigarista e seu "fiel" escudeiro Muttler
A marca mais perversa e neurótica da sociedade capitalista é ter transformado a vida de todas nós numa corrida maluca, exatamente como aquele desenho animado que, nada gratuitamente, "embalou" a infância e a juventude de muita gente por aqui. Eu digo nada gratuitamente porque, além de passar a ideia de que devemos estar permanentemente na disputa, independentemente do “carro/corpo” que possuímos, para sermos "vitoriosas" devemos seguir estritamente as regras fixadas pelo sistema. Kid Vigarista e seu fiel escudeiro, o cão Muttler, faziam a dupla de permanentes transgressores das regras instituídas, tentando levar vantagem de qualquer jeito nas disputas; iludindo, trapaceando, roubando, enfim passando as demais concorrentes "para trás", de todas as formas possíveis e imagináveis.

Se, no desenho animado, os truques e artimanhas de Kid Vigarista jamais tenha lhe rendido uma única vitória, na vida real a coisa funciona de modo absolutamente inverso: os charlatães e trapaceiros estão sempre no pódio, em evidência, em detrimento daqueles “concorrentes”, ou seja, nós, o povo, que obedientemente seguimos as regras do jogo, acreditando que, como no desenho animado, haveremos de vencer a corrida "jogando limpo". O discurso moralizante é que, se você for suficientemente aplicada, dedicada, esforçada, abnegada, se estiver, enfim, disposta a comer toneladas de pães que o diabo amassou com o rabo, no final será coroada como vitoriosa, com direito a banda de música, condecoração da presidenta, bênção do papa, foto de capa no jornal de domingo e reportagem especial no Fantástico. “Fulana de tal: exemplo de superação”... (afff!)

Enquanto isso, os espertalhões, que no desenho animado jamais ganharam uma única corrida, na vida real levam todas as vitórias ou, pelo menos a esmagadora maioria delas, já que, uma vez ou outra, é preciso deixar espaço para essa gente que vira “exemplo de superação”. Senão pode vir à tona a grande farsa do jogo social de cartas marcadas.

Evidentemente, espertalhões levam as vitórias não por irretocáveis méritos pessoais nas modalidades disputadas, mas por seus imbatíveis “trunfos estratégicos” como parentesco, apadrinhamentos políticos, reservas bancárias, informações privilegiadas, lobbies, tramoias, trambiques, maquiavelismos, manipulações e outros “deságios” da já combalida moeda da ética... Esses expedientes que, no desenho animado, teriam rendido a exemplar desclassificação de Kid Vigarista tornaram-se, na vida real, o caminho mais curto para a realização dos sonhos grandiloquentes incutidos diariamente na cabeça dos indivíduos por essa imensa “corrida maluca” que é a sociedade capitalista.

Mas tudo acontece da forma mais hipócrita possível. Os grandes trapaceadores, talvez com sentimento de culpa por ferirem os dispositivos éticos aprendidos no desenho animado, fazem de tudo para “posar” como grandes realizadores, como homens e mulheres íntegros, cumpridores fieis das leis e regras de conduta que ostensivamente violam para o seu próprio proveito pessoal.

Todo mundo, inclusive eles, sabe que os espertalhões são politicamente incorretos, que sua vitória é um embuste e um acinte aos valores que eles próprios “posam” de grandes defensores.

Mas eu quero ir muito além e afirmar que a própria corrida maluca está completamente errada. Não é a toa que ela se chama corrida maluca... Ninguém nasceu para ser concorrente de coisa nenhuma; ninguém tem que vencer nada, exceto a si mesma. Ninguém está predestinado àquela luta renhida, descrita no poema épico de Gonçalves Dias, “Canção do Tamoio”: “Não chores, meu filho, não chores/Que a vida é luta renhida:/Viver é lutar/A vida é combate,/Que os fracos abate,/Que os fortes, os bravos/Só pode exaltar”...

Vida não é luta, não é combate, não é concurso, não é medalha de ouro, prata ou bronze (e Deus nos livre de ganhar prata ou bronze!). Vida é (só) viver. Respirar. “Comer, dormir e trepar”, como Darcy Ribeiro costumava resumir o ideário de vida do índio.

A sociedade capitalista transformou esse ideal de “só viver” em atestado de preguiça, em prova incontestável de fracasso, remetendo os preguiçosos, os que não estão dispostos a comer o pão que o diabo amassou com o rabo para se tornarem “vitoriosos”, para os lugares mais tenebrosos do inferno de Dante. Pior: condena os não-vitoriosos, os que ainda não lograram obter os seus “quinze minutos de fama”, à vergonha social de não terem alcançado as metas de dinheiro, sucesso e poder. Quem não alcança os píncaros do pódio social, está condenado a ser um eterno insatisfeito, um sofredor contumaz (tadinho de mim...)

Tenho falado no resgate da vida sem rótulos, a vida fora da corrida maluca. A única forma possível de estar fora dessa corrida é abolir da nossa vida todos os pernósticos e execráveis rótulos existenciais que nos estimulam a permanecer dentro da corrida maluca, dia após dia, seja para defender as nossas "identidades já alcançadas", seja para atingir posições ainda mais altas de fama, sucesso e poder. Sem identidades cobiçadas – e, por extensão, sem identidades rejeitadas – a corrida perde inteiramente o sentido, uma vez que ela só acontece na medida em que as pessoas se comparam umas com as outras. A loucura capitalista depende da neurose da comparação e da "ordem psíquica" implícita nesse processo neurótico que é "seja melhor (não importa em que) do que as outras pessoas". Apanhadas nessa ratoeira sociopolítica, somos presas fáceis de qualquer histeria, individual ou coletiva, capaz de nos transformar em "vitoriosas"...

A saúde do sistema social depende de cada pessoa negar-se conscientemente a lutar por rótulos, a lutar para conservar a supremacia de quaisquer títulos e "rankings". Depende de cada pessoa negar-se a participar do processo de comparação, negar-se a estar em "hierarquias sociais" tolas, medíocres e cruéis. Negar-se a assumir "identidades fajutas", arbitrárias e arrogantes. Negar-se à "neura" de ter que permanentemente superar as outras pessoas a fim de continuar a existir. A existência é para todas as pessoas, e não apenas para as "vitoriosas", bem situadas na hierarquia social e bem sucedidas na hierarquia econômica (sabe Deus como...). Em síntese: enquanto houver identidades celebradas, haverá identidades desprezadas, pois o "bem" não existe sem o mal; onde tem fada, tem bruxa. Deus não existe sem o diabo... Mas a liberdade de expressão, de viver uma vida sem rotulação, só virá, de verdade, a partir da decisão pessoal de cada pessoa em viver, em vez de submeter-se, de forma totalmente automática e não crítica, às regras tão sacanas e contraditórias dessa corrida maluca, onde tanta gente, na maior cara de pau, emprega as “técnicas de crescimento pessoal e profissional” do Kid Vigarista, a fim de “vencerem”, rápido, fácil e “muito”. Claro que devidamente disfarçadas de “santinhas”, para não serem execradas pelos próprios valores hipócritas que defendem, caso sejam apanhadas em flagrante praticando seus "inocentes" trambiques...

Nenhum comentário:

Postar um comentário