quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Mulheres Trans são vítimas da transfobia e do machismo das suas próprias companheiras

Todos os dias ao redor do mundo, um grande número de mulheres são vitimadas pela violência de maridos e companheiros machistas, continuamente alimentados por uma cultura que leva o homem a acreditar ser dono da mulher. Felizmente, graças à militância feminista de décadas, muitas dessas mulheres já conseguem expor publicamente seu drama, revelando a face monstruosa de homens que as torturam, ferem e matam, seus corpos e sobretudo suas almas.

Mas há um outro lado da violência, também machista, que nunca vem à tona. Que, quando muito, é comentada a boca pequena, onde gritos dilacerantes de angústia e dor se transformam em sussurros amedrontados, cheios de vergonha e culpa.

Estou falando de mulheres que torturam e violentam seus maridos e companheiros transgêneros, amplificando a graus inimagináveis os seus tormentos existenciais, que já são insuportavelmente grandes.

A todo momento, recebo cartas de homens em estado de grande sofrimento e aflição, vitimados pela transfobia e pelo machismo de companheiras e esposas a quem nunca agrediram e que, muito ao contrário, sempre agradaram, fazendo o possível e o impossível para corresponder às expectativas que elas têm de um bom cônjuge, um bom pai, um companheiro atento, fiel e carinhoso.

Pois bem: quero denunciar, contando apenas com a pouca voz que disponho, as agruras existenciais desses homens que, apesar de fiéis ao matrimônio e cumpridores dos seus deveres para com suas famílias e para com a comunidade, estão sendo tratados por suas esposas e companheiras como delinquentes, devassos e depravados, exclusivamente em função da sua condição transgênera.

São absolutamente desumanas as torturas e humilhações diárias a que esses homens transgêneros são submetidos por mulheres transfóbicas e machistas, horrorizadas com a descoberta da “feminilidade” dos seus parceiros amorosos. A verdade é que o “machismo feminino”, dirigido a companheiros e maridos transgêneros, é tão horrendo e cruel quanto o conhecido machismo praticado por homens contra as mulheres.

A grande maioria das mulheres transformam-se em empedernidas e transfóbicas torturadoras ao serem informadas, pelos seus próprios parceiros, da condição transgênera que carregam em seus corpos e almas ou, pior ainda, ao descobrirem, por obra do acaso ou por fofocas, que seus maridos têm uma vida paralela, onde estão muito longe de ser “tão homens” ou “tão machos” quanto "deveriam".

O próprio processo de revelar-se à parceira pode ser considerado como uma das mais cruéis sessões de tortura pelas quais um homem transgênero pode passar. São toneladas de perguntas para as quais ninguém até hoje teve resposta, entremeadas de espasmos de cólera, choros convulsivos, imprecações, ranger de dentes e silêncios profundos.

Uma vez feita a “terrível revelação” ou acontecido a “nefasta descoberta”, instala-se um clima de guerrilha doméstica, onde o companheiro ou marido, colocado sob permanente vigilância e suspeita, passa a ser submetido a todo tipo de crueldade mental e constrangimento físico e moral.

Essa clima doméstico perdura até a inevitável separação, quase sempre de ordem judicial, com o homem sendo dessa vez constrangido e humilhado publicamente, diante de advogados que não pouparão sua condição transgênera como motivo principal do divórcio. Muitos homens transgêneros são de tal forma vitimizados por processos judiciais de separação que perdem até mesmo o direito de conviver com os filhos, em razão da sua transgeneridade.

A transfobia provocada pelo machismo faz com que as mulheres, que continuam sendo suas maiores vítimas, declarem em pesquisas a sua preferência por “homens machões” assim como a sua rejeição por homens que demonstrem qualquer traço de feminilidade. Por certo essas mulheres que rejeitam a transgeneridade dos maridos e companheiros prefeririam viver ao lado de homens que as submetessem a permanentes maus tratos, que escandalosamente as traíssem com outras (ou outros...), que não tivessem a menor atenção e carinho com os filhos.

Ao contrário das mulheres constrangidas ou violentadas por maridos machistas, que hoje dispõem de todo um aparato institucional de proteção e defesa, os homens transgêneros não dispõem de nenhuma instância a que recorrer. Além de não ser comum os homens transgêneros se agruparem em associações de ajuda e proteção mútua, não existe nenhuma lei específica para defendê-los das investidas de mulheres transfóbicas-machistas, determinadas a levar seu preconceito e intolerância às últimas consequências. Resulta que esses homens acabam muito sós e completamente desamparados em relação a quaisquer direitos que têm no terreno doméstico e familiar.

Quando muito, um ou outro, de maneira envergonhada, expõe seu drama em algum e-mail carregado de dor, como um que recebi ainda esses dias, onde o autor, em tom de total desalento e dor, faz um depoimento pungente: “depois de vivermos todo esse tempo em clima de guerra doméstica, minha esposa disse que não aguentava a minha condição transgênera e estamos separados há quase 15 dias. Para ela, não dava mais viver comigo, pois ela não suporta a minha transgeneridade. Daí eu me sinto muito culpada de ser assim, de ter comprometido o meu casamento e de ter perdido a mulher da minha vida, além de estar privado do convívio diário com minhas filhas, que ainda são muito crianças e que eu amo por demais”.

Ser transgênero é normal e é legal. É perfeitamente normal um homem vestir-se com roupas femininas e/ou realizar modificações corporais para exapressar a identidade de gênero com a qual se identifica. Além do mais, ao contrário do que a burrice e a má-fé dizem por aí, ser uma pessoa transgênera não significa ser automaticamente homossexual. 

O que não é normal é essas mulheres tratarem seus companheiros como se fossem criminosos ou pessoas moralmente degradadas, impondo-lhes restrições e sofrimentos que nitidamente configuram uma forma de transfobia e de violência doméstica sustentada por surrados valores machistas. 

Ao agirem de modo preconceituoso e intolerante com seus maridos e companheiros transgêneros, essas mulheres, como mulheres, tornam-se cúmplices da ordem patriarcal machista que sempre lhes negou e espoliou os seus direitos mais elementares, além de defender a supremacia absoluta do homem sobre a mulher, a quem ela deve se submeter em todas as instâncias e em todos os sentidos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário