domingo, 12 de fevereiro de 2017

Você está fazendo da sua vida o que você acha que deve fazer?

Ou você faz da sua vida o que você acha que deve fazer, independentemente do julgamento que venham a fazer de você, ou vai mofar nesse mundo, parada na mesmice de sempre, sem conseguir dar um passo adiante, tentando conciliar todas as opiniões e interesses dos outros, que sempre tentam retardar, modificar, bloquear ou simplesmente "melar" e suas decisões e ações.

A verdade é que é impossível agradar todo mundo e, mais ainda, agradar todo mundo ao mesmo tempo. Cada um espera uma coisa diferente de você, cada um quer que você tome determinada decisão, adote certa forma de conduta e mantenha um estilo de vida que eles, à sua maneira, consideram ser o mais adequado para você. Isso, sempre, invariavelmente, sem ter nem ao menos lhe consultado para saber a sua opinião.

Trata-se de um sistema social perverso, de mútua vigilância e repressão, em que todas as pessoas, ao mesmo tempo em que permanecem imobilizadas, sem ir para lugar nenhum, temendo não atender as múltiplas expectativas dos outros ao seu respeito, interferem igualmente na vida deles, vigiando-os e reprimindo-os da mesma forma que são vigiadas e reprimidas por eles.

A constante ameaça de punição aos "faltosos", insubmissos e rebeldes ao "controle do olhar do outro", faz com que a maioria simplesmente desista de tomar decisões e agir por contra própria, fora dos cânones oficialmente aceitos pela sociedade.

Algumas poucas pessoas entendem esse mecanismo nefasto e caem foram dele, assumindo integralmente o comando das suas vidas. Mas, infelizmente, a maioria passa a vida inteira refém desse sistema maligno de freio e controle dos impulsos criativos que habitam cada ser humano.

A libertação do "olhar do outro" pode ser - como efetivamente é - um processo longo e desgastante, que exige um permanente empoderamento da pessoa para levar adiante, geralmente sozinha e sem o apoio de ninguém, as decisões e ações que tomar pois, seja lá o que você fizer na vida, sempre haverá alguém para dizer:

a) que você não deveria ter feito;

b) que demorou demais pra fazer;
c) que devia ter aguardado mais um pouquinho;
d) que perdeu muito tempo pensando se deveria fazer ou não;
e) que não pensou nas consequências dos seus atos;
f) que você ainda vai se arrepender do que fez;
g) que deveria tê-los consultado antes;
h) que não deveria ter consultado tanta gente antes de fazer;
i) que foi egoísta, levando em conta apenas os seus próprios interesses;
j) que teriam feito bem melhor do que você;
k) que você vai pagar pelo que fez;
l) que você só conseguiu aumentar a quantidade de problemas que já tem;
m) que teria sido melhor não fazer nada;
n) que nunca mais você terá sossego em sua vida;
o) que deixou de fazer o que era mais importante...;
p) que foi muito além do que deveria ter feito;
q) que ta na cara que não vai dar certo;
r) que muita gente já tentou fazer assim e deu errado;
s) que você fez muito bem, dentro das suas possibilidades e, portanto, merece os parabéns.

PS - notou essa última reação? Pois é, embora pareça rara, ela existe. Mas é que as pessoas andam tão concentradas em evitar as críticas anteriormente listadas que nem se dão conta de que o êxito – e não o fracasso - é a parte essencial de qualquer processo individual de decisão e ação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário