domingo, 14 de agosto de 2016

É esse desafio que faz a vida digna de ser vivida


Quando o mundo bate forte e dói
é sempre muito difícil entender e aceitar
que a vida tem de ser assim,
que não podia ser
de um jeito menos sofrido

que as coisas são como elas são
e não como a gente gostaria que fossem.

Tudo parece feio e sem sentido depois de um fracasso.
Não há consolo para uma grande perda ou decepção.
Não há alívio para a tristeza que fica quando um sonho se vai
e a única vontade que a gente tem é de ir junto, sumir,
desaparecer sem deixar rastro.


Não é simples resistir com os nossos planos em ruínas.
Não é fácil recomeçar do nada ou, às vezes, com menos do que nada.
O caminho da reconstrução é lento e pesado para a pouca energia que nos resta depois de uma queda.

Mas é exatamente nessas horas que a gente tem que soprar
as cinzas dos nossos ideais em frangalhos e descobrir,
em meio aos destroços da batalha perdida,

a nossa enorme grandeza, o nosso imenso valor,
a nossa incrível capacidade de renascer sempre,
mesmo com o amor próprio ferido de morte
e a fé golpeada na sua própria raiz.

É esse desafio que faz a vida digna de ser vivida.

Letícia Lanz


Um comentário: